[Projeto EXPRESSÃO] Comida 2.0

por Marjorie Menard

Hoje em dia, a gente esta mais e mais preocupada com a nossa alimentação. Uma prova disso é o desenvolvimento do mercado sobre a alimentação: venda de produtos biológicos, produtos com “baixo teor de gordura », produtos “ricos em fibras” ou “ricos em ómega 3”. Também tem emergido um mercado paralelo com a venda de livros de receitas saudáveis, programas de televisão do melhor cozinheiro. Esta moda incentiva a gente passar mais tempo escolhendo bons produtos e preparando a nossa comida em vez de comprar pratos já cozinhados.

Pelo contrário, uma empresa americana que também valoriza uma alimentação saudável inventou um produto, o Soylent, que corresponde às necesidades nutricionais das pessoas, mas que sobretudo permite ganhar dinheiro e tempo em relação a alimentação saudável normalmente indicada. O inventor do Soylent considera o seu produto como uma maneira de livrar-se das obrigaçãoes relacionadas com a comida, como o mostra o slogan da empresa: “Soylent, Free your body”. Segundo ele também é uma maneira de diminuir os impactos sobre o meio ambiente porque com essa comida não é necessário cultivar tantas plantas ou criar animais, então não são precisos tantos recursos naturais.

Trata-se de uma bebida composta de todos os nutrientes necessários para sobreviver: farinha de aveia, proteína de arroz, maltodextrina, vitaminas e uma mistura de minerais. É muito simples prepará-lo: só precisa-se misturar o pó, cuja composição é descrita acima, com água e com  óleo de girassol e de peixe.

É possível comê-lo em 3 refeições diárias. O preço du produto para 21 refeições (uma semana comendo só Soylent) é de 85 dólares (62 euros).

O inventor do produto, Rob Rhinehart, diz que no  início da sua dieta de 30 dias comendo (bebendo em realidade) só Soylent, foi desgastante não ter comida no corpo. Porém, ele diz que nunca se sentiu  tão bem como neste período. Um jornalista, Brian Merchant, também provou essa dieta durante 30 dias. Segundo ele, não teve problemas de saúde, mas a dieta teve impactos psicológicos; o jornalista se sentiu deprimido e excluído do seu ambiente familiar e social, porque não podia realmente partilhar a sua comida. O inventor do Soylent recomenda finalmente comer 3 comidas normais por semana e beber Soylent o resto da semana.

Numa parte do sítio web de Soylent, se pode criar o seu perfil de consumidor que, segundo alguns critérios (idade, sexo, nível de prática de esporte, etc), dá as suas próprias necessidades nutricionais. Também é possível selecionar receitas (compostas do Soylent e de outros produtos) publicadas por consumidores ou publicar as suas próprias receitas. Pode-se selecionnar uma receita já publicada, compará-la com as suas necessidades nutricionais e adaptá-la se necessário. Essa parte do site está muito enfocada a percentagens/pesos de proteínas, calorias,  lipídios, fibras, cálcio, etc. Se parece muito com uma receita de um químico, mas não tem nada que ver com a forma tradicional de preparar uma boa comida.

A experiência do jornalista mostra que o fato de comer não só consiste em ingerir os nutirentes necessarios para sobreviver. Comer também é uma maneira de se relacionar com nossa família e nossos amigos. Cozinhar com amigos ou sair com gente para comer, forma parte da vida social dos indivíduos e ainda que não seja imprescindível para sobrevivência, também é muito valoroso!

Para mais informações, acesse:

http://soylent.me/

http://motherboard.vice.com/blog/soylent-no-food-for-30-days

Anúncios