[Projeto EXPRESSÃO] A minha experiência do Carnaval do Rio de Janeiro

Capture d’écran 2015-02-17 à 10.51.16

Hoje é segunda-feira de carnaval, uma das festas mais importantes do Brasil, celebrada de norte a sul do país. Em homenagem à data, hoje temos o relato da Mayra, contando como foi passar o carnaval de 2013 no Rio. Boa leitura e bom carnaval!

por Mayra Paillé

 Em fevereiro de 2013, eu assisti ao Carnaval do Rio de Janeiro, a festa mais famosa do mundo inteiro. Antes da viagem, eu não podia contar as horas assistindo vídeos na Internet dos carnavais anteriores. Finalmente, era a minha oportunidade de estar ali, assistindo com meus olhos, ao ambiente de Carnaval.

Lembro-me do primeiro dia nas ruas desta belíssima cidade, no bairro de Santa Teresa com meu namorado. Tudo estava fechado! Os bancos, as lojas, os restaurantes … Mas, estranhamente, havia muito ruído por toda parte. Isso não era música, era uma cacofonia de percussões! Entre o calor, o ruído e o cansaço da minha viagem, sem me dar conta, eu caminhava atrás de um grupo de pessoas, dançando como hipnotizada. Eu estava seguindo um “bloco.”

Minha primeira noite em Santa Teresa foi muito curta! Nós ficamos numa pousada muito agradável mas que não tinha o ar-condicionado porque também respeitava o meio ambiente.   Os dois ventiladores não eram suficientes para o calor …. Mas abrir a janela significava ouvir os ruídos de carnaval toda a noite!

O terceiro dia de nossa viagem era o dia para ir ao legendário Sambódromo de noite. Chegamos às 19h e o desfile começava às 21h30.   Pouco a pouco, o Sambódromo foi enchendo-se de gente e o calor era cada vez mais intenso! Finalmente, o desfile das escolas de samba começou. Um espetáculo único, uma impressionante exibição de beleza, muito cor e alegria que somente durou 3 horas para mim. Eu não me lembro de ter estado com tanto calor antes. As minhas roupas estavam embebidas em suor! Um pouco mais de meia noite e 9 garrafas de água mais tarde, nós pegávamos a saída. Mas esse desfile terminava às 5 da manhã!

Nós regressamos à Santa Teresa caminhando. Foi assim que eu pude ver uma outra cara do carnaval. Os participantes do desfile que apenas saíam e abandonavam suas fantasias nas ruas e as pessoas, principalmente meninos, que brincavam com elas. Eles não tinham dinheiro para os ingressos do sambódromo. Mas eles faziam o seu próprio carnaval! Essas pessoas, esses meninos, moravam na rua … Esta é a imagem que mais me marcou desta experiência.

Anúncios